A Clínica Anhembi oferece diversas cirurgias em suas áreas de especialização. Confira a listagem completa de cirurgias disponíveis:

Anel Intraestromal (tratamento para ceratocone)

O Anel de Ferrara ou anel intraestromal é uma técnica de cirurgia para correção do Ceratocone. Apesar do nome, não é exatamente um anel. É a metade de um anel feita de um material rígido que é implantado na camada da córnea chamada estroma.

Cirurgias Antiglaucomatosas 

Trata-se da cirurgia dos olhos que tem como objetivo a drenagem e a diminuição da pressão intraocular (principal sintoma do glaucoma), evitando assim lesões graves ao nervo óptico.

Cirurgia de Catarata

Atualmente a cirurgia é realizada em qualquer tipo de catarata, independente do seu grau de comprometimento da visão. É um procedimento que dura por volta de 30 minutos, mas que apesar de rápido é também delicado. Cirurgia é o único tratamento para catarata. Não há medicamento, vitaminas, colírios ou exercícios que eliminem a catarata.

Cirurgia de descolamento da retina (Vitrectomia)

Cirurgia realizada no tratamento de várias doenças, entre elas o descolamento de retina simples e complicado, membranas epiretinianas, buraco macular e a hemorragia do vítreo.

Vitrectomia + Retinopexia 

E uma técnica cirúrgica muito utilizada para doenças da retina. Consiste na remoção do corpo vítreo do olho, indicado no tratamento de doenças como descolamento de retina, buraco macular, membrana epirretiniana, síndrome de tração vítreo – macular, hemorragias vítreas, entre outras.

Cirurgia plástica e estética ocular

A plástica ocular é uma subespecialidade dentro da oftalmologia, que trata dos problemas que envolvem as pálpebras, sejam eles de ordem patológica ou estética.

Blefarite

Blefarite é uma inflamação comum que afeta as pálpebras, normalmente na região onde crescem os cílios, fazendo com que elas cocem, fiquem vermelhas e irritadas. Podem ser recomendadas compressas mornas sobre as pálpebras com o objetivo de retirar as granulações características e solubilizar secreções oleosas das glândulas sebáceas; além do uso de pomada com antibiótico lágrimas artificiais, corticoesteróides oculares de olho seco ou medicamentos por via oral.

Calázio

Diferentemente do terçol, a causa de calázio não é uma infecção bacteriana. Ele é provocado pela inflamação da glândula responsável pela produção de secreção sebácea. A inflamação na glândula causa uma obstrução no duto que permite a saída da secreção. O tratamento do calázio por compressas mornas, pomadas antibióticas e aplicação de antinflamatório intralesional.

Entrópio ou ectrópio

O entrópio é uma doença em que a pálpebra se vira sobre si mesma, contra o globo ocular. O ectrópio é uma doença onde a pálpebra se vira para fora e não entra em contato com o globo ocular. Ambas as patologias podem ser corrigidas com cirurgia.

Reconstrução das pálpebras

A reconstrução da pálpebra inferior se constitui em um importante capítulo de reconstrução facial, tanto por seu aspecto estético quanto por sua importância funcional, evitando comprometimentos oculares mais graves.

Cirurgia Refrativa a Laser

A córnea é a parte transparente do olho, que está na frente da íris e da pupila É composta de várias camadas, e, junto com o cristalino, foca a luz na retina. Esta passagem da luz do meio externo para o interior do olho é conhecida como refração. Quando ocorrem desvios neste trajeto dos raios luminosos surgem os erros de refração. A Cirurgia refrativa é o nome dado às cirurgias para corrigir miopia, hipermetropia, astigmatismo e presbiopia.

Miopia

A miopia é uma condição comum em que a pessoa vê objetos próximos com clareza, mas objetos mais distantes são borrados. O grau de sua miopia afeta sua capacidade de focar objetos distantes. O principal procedimento para a correção do problema é a cirurgia refrativa.

Hipermetropia

A hipermetropia ocorre quando o olho é um pouco menor do que o normal, provocando uma focalização errada da imagem, que se forma após a retina. Ela também pode ser causada pela diminuição do poder refrativo do olho, causada por alterações no formato na córnea ou no cristalino. O principal procedimento para a correção do problema é a cirurgia refrativa.

 

Astigmatismo

O astigmatismo é uma necessidade de correção visual comum que pode resultar em visão borrada ou distorcida em todas as distâncias, dependendo do grau do astigmatismo. Pode afetar as pessoas em qualquer idade. Pessoas com astigmatismo são muitas vezes míopes ou hipermetropes também. O principal procedimento para a correção é a cirurgia refrativa.

Crosslinking

Crosslinking é realizado para o tratamento de uma variedade de condições, incluindo ceratocone e degeneração marginal pelúcida. Também estuda-se aplicar o procedimento para o tratamento de úlceras de córnea infecciosas, ceratopatia bolhosa dolorosa em pseudofácicos

Injeção Intravitrea de Anti- CEGF

Os Anti-VEGFs são medicamentos que interferem no mecanismo responsável pela formação de neovascularização subrretiniana, após a falta de oxigênio. São injetados dentro do olho, no gel vítreo. A cirurgia é realizada no centro cirúrgico, com anestesia local e sob sedação. O paciente tem alta no mesmo dia com oclusão do olho operado.

Pequenas Cirurgias

São cirurgias dos olhos mais simples e com rápida recuperação. Elas compreendem os procedimentos para retirada de pequenos tumores benignos da pálpebra e da conjuntiva, pterígio e calázio.

Pterígio

O pterígio é uma formação carnosa que avança sobre a córnea, geralmente do lado nasal. Trata-se de uma resposta do olho a um processo de irritação ocular crônica, em que a exposição à luz solar e ao vento têm um papel importante.

Xantelasma

Xantelasma (ou xanteloma) é uma doença dermatológica caracterizada pelo aparecimento de bolsas amareladas ligeiramente salientes, situadas nas pálpebras. A remoção das lesões pode ser realizada com cauterização química, tratamento a laser, ou retirada cirúrgica com fechamento por pontos.

Retinopaxia

É o termo usado para designar as doenças degenerativas não inflamatórias da retina. As mais frequentes no adulto são: serosa central, por diabetes e por hipertensão arterial. No recém-nascido é a retinopatia da prematuridade. Para o tratamento pode-se aplicar fotocoagulação a laser.

Vitrectomia + Retinopexia + Óleo de Silicone

E uma técnica cirúrgica muito utilizada para doenças da retina. Consiste na remoção do corpo vítreo do olho, indicado no tratamento de doenças como descolamento de retina, buraco macular, membrana epirretiniana, síndrome de tração vítreo – macular, hemorragias vítreas, entre outras.

Trabeculectomia

Cirurgia convencional e invasiva mais utilizada para tentar controlar o glaucoma é a trabeculectomia. Ela tem como objetivo criar um novo sistema de drenagem para o humor aquoso. O procedimento é feito com anestesia local e aplicação de colírios que também anestesiam o olho.

Cauterização química

cauterização química envolve a aplicação de uma substância cáustica ou ácida sobre uma lesão, com o objetivo de removê-la. Normalmente é utilizado o ácido tricloroacético.A cauterização química é utilizada para tratar queratoses actínicas, queratoses seborreicas, verrugas virais, granuloma piogênico entre outras lesões.  Podem ser necessárias várias sessões, a depender do tipo de lesão tratada.

Crioterapia 

A Crioterapia com Nitrogênio Líquido é um método terapêutico muito utilizado na dermatologia que utiliza o princípio do congelamento / descongelamento da pele para tratar lesões benignas, pré-malignas e até malignas.

Curetagem

A curetagem consiste na remoção de lesões cutâneas através da raspagem com um instrumento chamado cureta, semelhante a uma pequena colher, para o tratamento de lesões pequenas, sendo, na maioria das vezes, utilizada apenas creme anestésico com antecedência de 1 hora antes do procedimento.

Eletrocauterização

É o emprego de uma corrente alternada de alta frequência que destrói tecidos pela produção de calor e rotura mecânica. Constitui o recurso físico mais utilizado para a destruição e exérese de tecidos e hemostasia.

Peelings químicos

Também conhecidas como esfoliações químicas  são  uma técnica que promove a remoção controlada de camadas da pele, realizadas com fins terapêuticos por meio de substâncias cáusticas ( ATA, solução de Jessner, ácido glicólico, fenol, entre outras )

Infiltração intralesional

A Infiltração intralesional consiste na injeção de uma medicação dentro da lesão, para o seu tratamento. Desta forma, ela atua diretamente no local onde é necessária e sua ação é mais intensa. É utilizada para tratamento de queloides e hemangiomas.

Biopsia

A biopsia é um procedimento simples, em que um pequeno fragmento da pele ou da mucosa é retirado para análise patológica, com o objetivo de diagnosticar um doença da pele, seja ela um tumor ou um outro tipo de dermatose.

Cirurgia para retirada de tumores benignos e malignos da pele

As excisões cirúrgicas são úteis na retirada de lesões benignas  ( cisto epidermóide, lipomas, nevos) e malignas ( câncer de pele como o carcinoma basocelular, carcinoma espino celular e melanoma).

Biópsia de nariz

A Biópsia é a remoção de uma pequena quantidade de tecido para avaliação anatomopatológica da presença (ou não) de câncer. É a única maneira de confirmar o diagnóstico de câncer de cavidade nasal ou seios paranasais.

Cauterização

A cauterização das conchas nasais consiste na aplicação de algum tipo de energia (monopolar, bipolar, radiofreqüência) com o objetivo de reduzir o tamanho das conchas (cornetos) nasais e melhorar a respiração pelo nariz.

Cerumem – remoção

O cerúmen, ou cera de ouvido, deve ser removido. Existem basicamente três modos para se remover o excesso de cera dos ouvidos: ceruminolíticos, irrigação ou remoção mecânica pelo otorrinolaringologista.

Corpo estranho, pólipos ou biópsia

A ocorrência de corpos estranhos envolvendo as cavidades nasais é motivo de frequentes consultas em serviços de emergência de otorrinolaringologia. O pólipo nasal, por exemplo, é um pequeno tumor benigno que cresce dentro da cavidade nasal ou dos seios paranasais, geralmente como resultado de inflamações crônicas das vias aéreas. O tratamento dos pólipos nasais costuma ser feito com corticoides em spray nasal, como a fluticasona, budesonida ou triancinolona. Se os medicamentos falharem, o otorrinolaringologista pode propor a remoção cirúrgica dos pólipos.

Corpo estranho retirado em consultório

A ocorrência de corpos estranhos é motivo de frequentes consultas em serviços de emergência de otorrinolaringologia. O procedimento de remoção depende da instalação e área em que o corpo estranho está, sendo possível trata-lo com medicamentos, ou através de remoção cirúrgica em consultório.

Epistaxe cauterização

Epistaxe é definida como o sangramento proveniente da mucosa nasal. Uma vez que o ponto de sangramento é normalmente visto à rinoscopia, a cauterização do vaso é a primeira escolha para o tratamento da epistaxe. A cauterização pode ser química, elétrica ou com laser.